Carregando, por favor espere...


Aqui você encontra

NOTÍCIAS ODONTONEED

Nesse espaço você encontrará notícias sobre acontecimentos em nossa Clínica, sobre novidades em tratamentos odontológicos e dicas para sua saúde bucal


50533abc7cb549c8b5c49e46de6be5be.jpg
17/out/2019

Para se ter um sorriso perfeito você precisa de muitos cuidados com seus dentes, mas a recompensa faz valer a pena todo esforço. Ter dentes bonitos e bem alinhados melhora a nossa autoestima e o nosso bem-estar, não é? Além da parte estética nesses cuidados, fazer a manutenção correta e uma higiene bucal adequada é fundamental para prevenir cáries, tratamento de canal ou outras complicações para o organismo.

Pensando nisso viemos falar sobre quando se faz necessário um tratamento de canal. Tendo conhecimento sobre o assunto você vai aprender a identificar os sinais de que você precisa procurar um dentista com a máxima urgência.

Primeiramente, o que é um tratamento de canal?

O tratamento de canal é necessário quando o dente sofre algum tipo de lesão, por cárie, trinca ou algum trauma que resulte em infecção ou inflamação do nervo ou polpa. As lesões podem ser identificadas por meio de radiografias e, uma vez diagnosticado o problema por um profissional especializado, o tratamento é realizado. O procedimento consiste em remover o nervo e a polpa, limpando os canais e selando o dente para deixá-lo protegido contra novas infecções.

Sintomas de quem precisa de um tratamento de canal

Para você saber se precisa de um tratamento de canal, é preciso ficar atento a alguns sintomas. Veja quais deles indicam uma possível necessidade de se submeter ao procedimento:

  • dor persistente, principalmente quando ingere alimentos muito quentes ou frios;
  • inchaço ao redor do dente que está dolorido, pequenas bolhas de sangue ou pus, além de dificuldade em mastigar os alimentos;
  • dor na região do maxilar superior ou inferior é sinal de que algum dente foi afetado e está irradiando a dor para outras áreas. Nesses casos, você pode sentir até mesmo dor de ouvido ou de cabeça;
  • trauma, com dente escurecido;
  • fratura, com exposição do nervo;
  • estrutura danificada, que, mesmo sem dor, pode provocar uma degeneração avançada ou estrutura debilitada.

Então, se você apresenta algum desses sintomas, não hesite em procurar ajuda profissional. Procure seu dentista hoje mesmo!

Entenda como é o passo a passo do procedimento

Antes de indicar o procedimento, os nossos dentistas vão pedir alguns exames de raio X, para identificar se realmente a melhor solução é o tratamento de canal. Ele também precisa avaliar a intensidade das infecções e os danos causados no dente.  Após a análise dos exames solicitados, a primeira medida é aplicar uma anestesia local para abrir a coroa do dente e remover o tecido da polpa, sem que o paciente sinta qualquer dor. O dentista deverá seguir o caminho indicado pelos exames, removendo apenas as partes afetadas.

Por ser um tecido irrigado por vários vasos sanguíneos, o profissional deve limpar os canais e desinfetá-los antes de preencher a região com um material obturador, também conhecido como cimento odontológico. Às vezes, o dentista pode pedir outras radiografias antes de fechar a coroa e restaurar o dente com resina, para conferir se todo o material foi removido. Depois disso, o dente estará selado e protegido. O tratamento de canal feito com cuidado e atenção é extremamente importante para garantir que a infecção seja eliminada e não vá para a corrente sanguínea do paciente, causando problemas muito mais sérios. Além disso, todo desconforto é resolvido com medicação e orientações prescritas pelo dentista.

O tratamento de canal não é tão difícil quanto parece

A evolução das técnicas odontológicas permitiu maior acesso e facilidades, e não há mais razão para evitar um tratamento de canal, por mais medo apareça ao saber de outros casos ou o medo natural da cadeira do dentista. A maioria dos tratamentos são realizados em uma única sessão, que pode durar, em média, duas horas, dependendo da habilidade do cirurgião-dentista e do nível de infecção do dente.

Não há risco de dores, pois os anestésicos são administrados na dosagem correta para que o paciente não sinta incômodos. Além disso, após o procedimento, o profissional vai receitar o uso de medicamentos anestésicos. Por isso, conquistar um belo sorriso está cada dia mais simples e não há mais desculpas para não ir ao dentista.

Entenda os riscos de não fazer o tratamento de canal

Além da perda total do dente, não fazer o tratamento de canal a tempo pode trazer outras consequências. Caso você sinta muita dor, ela será intensificada com o tempo, chegando a se tornar insuportável. E, caso o dente esteja infeccionado e não seja tratado a tempo, a infecção pode cair na corrente sanguínea e provocar sérios problemas sistêmicos. Em casos mais graves, pode se transformar em abscesso agudo — processo inflamatório com formação de pus —, que além de causar muita dor pode evoluir para um edema facial.

Então, fique atento e não deixe um problema simples evoluir para outros mais graves. A endodontia é um procedimento muito comum e com a maior taxa de sucesso na odontologia.

Aprenda a prevenir o tratamento de canal

O tratamento de canal só é indicado para casos extremos, nos quais não há outra forma de salvar o dente afetado. Para prevenir esse tipo de problema, você deve manter uma boa higiene bucal. Por isso, você deve escovar os dentes pelo menos duas vezes ao dia e usar fio dental diariamente, principalmente antes de dormir. O uso de antissépticos bucais também ajuda na prevenção de cáries e outras doenças bucais. As visitas ao dentista devem ser feitas de seis em seis meses, pois esse é o intervalo de tempo em que a profilaxia — limpeza dentária profissional — deve ser realizada. Durante esse procedimento, o dentista remove o tártaro e a placa bacteriana acumulada nos dentes, evitando, assim, o aparecimento de cáries e outras doenças bucais.

Ao menor sinal de dor de dente, o dentista deve ser consultado, pois o tratamento inicial da cárie evita que ela evolua e o dente se deteriore a ponto de ser necessário um tratamento de canal. Mesmo que o procedimento seja eficaz, a prevenção ainda é a melhor opção, tanto para sua saúde bucal, quanto para a saúde de seu bolso.

Mas caso você já precise fazer o tratamento, lembre-se da importância de procurar por profissionais qualificados, pois tratar um canal é um procedimento delicado, que necessita de muita habilidade do cirurgião-dentista para ser bem executado. E nós, da Odontoneed contamos com especialistas que irão tratar desse tratamento com conforto, segurança.


doces2-570x350.jpg
17/out/2019

Você provavelmente já ouviu sua mãe dizer que comer balas e chicletes toda hora é perigoso para a saúde bucal. E ela não estava errada. Existem alimentos que, se ingeridos mais do que 3 vezes ao dia, estragam os dentes e isso acontece porque os açúcares são transformados em um ácido corrosivo pelas bactérias presentes na boca, o que fragiliza o esmalte dentário.

Mas você se engana se acha que os vilões são somente os doces. Alimentos muito ácidos ou com excesso de corantes também estão na lista das comidas que podem estragar a beleza dos seus dentes. A seguir, confira quais itens devem ser consumidos com cautela!

Bebidas ácidas

Bebidas muito ácidas, como sucos de frutas cítricas e refrigerantes, principalmente as opções açucaradas, devem ser consumidas com moderação. A acidez excessiva pode gerar uma erosão que compromete o esmalte dentário e provoca desgastes irreversíveis. Isso torna os dentes mais sensíveis e expostos ao surgimento de cáries.

Se consumidos moderadamente, contudo, os sucos de frutas cítricas são benéficos para a saúde bucal. Afinal, estimulam a produção de saliva, auxiliando na auto limpeza da boca. A dica é sempre ingerir um copo de água após a ingestão de bebidas ácidas e aguardar vinte minutos antes de escovar os dentes, a fim de não contribuir com o desgaste do esmalte.

Balas duras e chicletes açucarados

Como já imaginávamos, as balas e chicletes açucarados também são alimentos que estragam os dentes. Doces muito duros, além de apresentarem alto teor de açúcar que danifica o esmalte, podem levar a fraturas dentárias moderadas e graves, caso o paciente tente mordê-los.

Já no caso dos chicletes açucarados, o problema é o mesmo em relação ao excesso de açúcar, que pode facilitar o aparecimento de cáries. Prefira sempre as versões sem a adição dessa substância que vão, inclusive, estimular a produção da saliva que auxiliará na neutralização de ácidos.

Molho de tomate e vinhos

No caso desses alimentos, o problema está na alta concentração de corantes escuros que podem pigmentar os dentes e deixá-los com um aspecto envelhecido. Como o esmalte desses tecidos é permeável, o consumo de molhos e vinhos em excesso pode fazer com que os corantes atinjam as camadas mais profundas da estrutura dentária.

É importante, também, sempre visitar um dentista para consultar a saúde dos seus dentes, visto que outros problemas podem influenciar na sua relação com a comida. Quem conta com dentes sensíveis, por exemplo, deve evitar alimentos frios ou ácidos que provocam dor.

Já nos casos de mordida torta, os dentes ficam sobrecarregados, o que pode resultar em quebras e retrações gengivais. Quando a condição causa microfraturas na região próxima da gengiva,por sobrecarga oclusal, a hipersensibilidade com alimentos, vento e até ao clareamento aumenta consideravelmente.

Assim, é fundamental buscar um tratamento ortodôntico para corrigir problemas e conseguir se alimentar sem empecilhos. Nos casos em que o paciente não deseja recorrer ao aparelho fixo, um tratamento com o Invisalign® é uma forma discreta e eficaz de resolver mordidas incorretas.

Para garantir que seus dentes fiquem sempre fortes e saudáveis, é importante consumir os alimentos citados com moderação. Também ajuda se você realizar uma boa higiene bucal após a ingestão desses produtos, de modo a reduzir o acúmulo de placa bacteriana.


282822-x-problemas-que-podem-ser-evitados-com-uma-boa-assistencia-odontologica-1200x800.jpg
17/out/2019

Quem não quer ter um sorriso bonito e perfeito, não é? Afinal, ele é um dos cartões de visita que podemos apresentar e que pode ter maior impacto seja na vida pessoal ou profissional. Mas para conseguir esse resultado, muitas são as propostas de tratamento. E algumas pessoas se perguntam: restauração ou implante – qual é o mais adequado para a minha situação?

Para responder essa pergunta, nada melhor que conhecer cada um deles. Então, saiba agora mesmo quais são os benefícios de cada um e como descobrir qual desses tratamentos é o mais apropriado para solucionar o seu problema. Confira!

O que é restauração? 

A restauração é um dos procedimentos mais comuns em Odontologia. Nela, o dentista remove a parte deteriorada do dente, limpa essa área e preenche o espaço com material adequado. Com esse procedimento, o espaço que a bactéria poderia usar para se infiltrar é fechado, prevenindo uma deterioração posterior. Geralmente são utilizados materiais como porcelana, resina ou cerômero.

A vantagem desse procedimento é sua simplicidade, porém ele não é definitivo. Depois de algum tempo, é necessário trocar essas restaurações. O tempo para a troca varia de acordo com o material utilizado, a manutenção bucal diária e outros hábitos saudáveis mantidos pelo paciente.

O que são implantes dentários?

Já no caso dos implantes dentários, a peça de metal biocompatível é posicionada cuidadosamente na região sem dente abaixo da gengiva por meio de um procedimento cirúrgico. Esses suportes substituem as raízes dentárias e permitem que o dentista monte dentes substitutos sobre eles.

São indicados para substituir pontes ou dentaduras convencionais, pois ao contrário desses, os implantes ficam realmente fixos quando a pessoa se alimenta ou fala. Para a realização do implante, algumas condições são necessárias: a pessoa precisa ter gengivas saudáveis e os ossos têm que ter condições de sustentar o implante. Embora sejam procedimentos de custo maior do que as restaurações, e não cobertos por convênios, valem a pena quando bem indicados e feitos por um dentista competente.

Quando se considera o conforto, como já foi mencionado, eles permitem a realização de qualquer atividade diária sem os desconfortos ou constrangimentos causados pelas dentaduras ou pontes, e na parte estética, a diferença é quase imperceptível.

Na verdade, a sensação do paciente é que ele tem sua arcada dentária perfeitamente normal, exigindo os mesmos cuidados dos outros dentes.

Então, agora sabendo a diferença, eis a questão: restauração ou implante?

É possível perceber, então, que existe uma grande diferença entre os dois procedimentos. Enquanto o primeiro é um procedimento simples, indicado para situações comuns, como cáries, os implantes são realizados em casos mais complexos, que envolvem a ausência ou a substituição de dentes.

Como saber qual é a minha necessidade? 

Apesar de a indicação ser bastante distinta, como vimos nos tópicos anteriores, sempre o direcionamento para qualquer tratamento odontológico precisa ser feito pelo dentista, que é devidamente habilitado para isso. Apenas esse profissional tem a qualificação necessária para avaliar o estado de sua dentição e orientá-lo quanto às melhores alternativas para a solução, considerando todas as possibilidades.


od2-1.png
17/out/2019

Desde crianças aprendemos que devemos escovar os dentes após as refeições depois passar o fio dental, e com o tempo crescemos e ficamos ainda medo do dentista e suas máquinas, não é? Ou deixamos pra depois na correria do dia a dia. Porém, com o passar do tempo, a nossa saúde bucal cobra outros cuidados fundamentais e específicos. Afinal, a saúde dos seus dentes pode afetar desde a sua autoestima até o seu organismo.

Ao contrário do que muitos pensam, tratamentos feitos por um dentista não são somente por pura estética e sim por necessidade, cuidado, e pode surgir problemas bucais que podem afetar a sua mastigação e até mesmo sua fala.

Pensando nisso queremos que você esteja atento com o cuidado da sua saúde bucal nos seguintes níveis:

Saúde básica

O primeiro nível da saúde bucal é o básico. Nele, estão reunidos os problemas e tratamentos mais críticos que podem causar perda de dentes e, não muito raro, levar o paciente ao óbito. Conheça quais são:

  • Cáries

As cáries são lesões nos dentes causadas por bactérias. É uma das doenças bucais mais conhecidas e comuns, que pode atingir pessoas de todas as idades, desde crianças até idosos. Esses microrganismos ficam na nossa cavidade bucal e produzem ácidos que corroem e causam as lesões, ou buraquinhos, característicos das cáries.

  • Gengivite

É um tipo de inflamação na gengiva causada por bactérias, associadas às placas. Caso não seja tratada, pode causar danos permanentes nas gengivas, dentes e na mandíbula. O principal sinal de que há algo errado é o sangramento durante a escovação.

  • Periodontite

Também conhecida como piorreia, a periodontite é uma evolução da gengivite por atingir o osso de suporte do dente. Essa doença bucal é resultado da má higiene e descuidos com a saúde bucal. Nesse estágio, só o dentista pode tratar. Caso não seja tratada anteriormente, pode levar à perda dos dentes.

  • Canal

É um tratamento feito na raiz dos dentes para que seja feita a retirada da polpa, que é um tecido que pode estar infeccionado, morto ou danificado. O canal é indicado quando há dentes quebrados, cáries profundas e danos graves nos dentes.

  • Fraturas

A fratura dental é muito comum em casos de acidentes. Dependendo das condições, o dentista consegue recolar a parte quebrada no lugar, já outros pode ser necessária fazer a restauração ou colocação de facetas ou coroas, por exemplo.

Saúde funcional

O Segundo nível da sua saúde bucal é conhecido como funcional. Estão incluídos neste conjunto tratamento para correção de alguns problemas e doenças. Confira quais são os principais procedimentos:

  • Ortodontia

A Ortodontia é uma área da odontologia direcionada às correções de problemas ou anormalidades na posição dos dentes, do alvéolo e dos ossos do maxilar. Nele, são indicados os usos de aparelhos, niveladores, mantenedores, expansores, contentores etc.

  • Implantes

São estruturas metálicas de titânio ou outros materiais colocadas abaixo da gengiva, de modo que substituam as raízes dos dentes. Normalmente, são indicadas para fixar dentes substitutos, onde, por algum motivo, os naturais precisaram ser retirados ou nunca existiram.

  • Reabilitação oral

São procedimentos feitos para melhorar, tratar ou recuperar a saúde bucal dos pacientes. A reabilitação inclui procedimentos de endodontia, ortodontia, próteses e implantes, de modo que as funções sejam restabelecidas.

Saúde emocional/Estética

A saúde emocional dos dentes e do sorriso está relacionada com os tratamentos estéticos solicitados pelo paciente ou pelo dentista. Veja os principais:

  • Lentes de contato

As lentes de contato dental são facetas colocadas somente na parte da frente dos dentes e representam uma grande inovação dos procedimentos estéticos. Elas são utilizadas para deixar os dentes mais bonitos, brancos e com um sorriso natural possível, dentro do indicado e das limitações de cada um.

  • Clareamentos

O clareamento dos dentes é um dos tratamentos estéticos mais conhecidos e desejados entre os pacientes. Quando indicado, ele é feito com o objetivo de reduzir manchas escurecidas nos dentes, deixando-os mais brancos e bonitos, dentro do possível. Entretanto, é fundamental não recorrer a procedimentos “caseiros”, pois qualquer tipo de tratamento deve ser feito por um dentista de qualidade e confiança.

A saúde bucal é assunto sério que afeta não só a beleza dos dentes, mas também funções básicas, como mastigação, deglutição e fala. Além disso, existem doenças que podem causar problemas mais sérios quando as infecções atingem a corrente sanguínea. Portanto, a dica é: visite o seu dentista regularmente!


fio-dental.jpg
17/out/2019

É comum nos importamos apenas com a saúde geral do corpo e negligenciarmos a saúde bucal. Essa está ligada a diversos sistemas do nosso organismo e possui funções imprescindíveis para o seu bom funcionamento, sabia?

Entre os tantos problemas que podem acometer a cavidade oral, está o tártaro ou cálculo dentário. Você já deve ter ouvido falar e deveria saber que, para evitar seu aparecimento, é preciso manter uma rotina de escovação e uso de fio dental correta.

Afinal de contas, o que é o tártaro?

Por mais que você tenha uma higiene bucal perfeita, sempre terá milhares de bactérias na boca, surgir microrganismos que se misturam com os restos da comida formando a conhecida placa bacteriana — estrutura pegajosa que recobre nossos dentes e nossa margem gengival, responsável pelo surgimento de cáries e doenças da gengiva. E a permanência da placa bacteriana nos dentes, permite o que chamamos de calcificação, assim formando o tártaro, também chamado de cálculo dental. Sua aparência é áspera e porosa, e contribui diretamente para as recessões gengivais, mal hálito e doenças periodontais (gengivite e periodontite), prejudicando, e muito, sua saúde oral e sistêmica.

Como o tártaro afeta nossos dentes e gengivas?

Em primeiro lugar, o tártaro pode tornar mais difícil a escovação eficaz e de usar o fio dental da maneira adequada, o que leva a um acúmulo de alimentos e bactérias, cenário perfeito para o aparecimento de cáries.

Em segundo lugar, ele também pode causar irritação e danificar as gengivas. Isso, posteriormente, acarreta em processos mais complicados, como a gengivite, cujos sintomas são a presença de sangramentos, inchaço e vermelhidão nas gengivas.

Já a periodontite consiste na evolução da gengivite pois, envolve o osso de suporte dentário, levando ao seu amolecimento e, se não for tratado pelo dentista, acontece a queda do dente.

Quais as principais causas do tártaro?

O tártaro acontece com ou sem alimentação e com ou sem açúcar industrializado. Diferente da cárie dentária, independente de ter ingerido certos tipos de alimento, a simples presença de placa bacteriana, nunca saliva com PH acima de 7, permite a calcificação e o que seria simples de remover com a escova de dentes torna-se um tipo de “pedra” que só o dentista pode limpar!

Como evitar o aparecimento do tártaro?

1. Tenha rotina de escovação CORRETA!

Escove seus dentes com uma escova de cerdas macias pelo menos 4 vezes ao dia, principalmente após as refeições, realizando movimentos circulares na região vestibular dos dentes (frente), movimentos de vai-e-vem na oclusal (região onde o alimento é mastigado) e de varredura na região lingual (atrás). Porém, consulte seu dentista para conferir se a escovação está sendo feita de maneira correta, na força aceitável pelo periodonto e com eficácia aceitável. Não se esqueça de escovar também a língua e as porções difíceis de alcançar, como a área posterior dos últimos dentes. Tudo deve ficar limpo!

2. Considere uma escova elétrica

Se você tem dificuldades motoras ou acha que não consegue realizar uma escovação satisfatória com uma escova comum, considere utilizar uma elétrica. Elas também removem a placa bacteriana de forma eficaz e impedem a formação do tártaro. Lembre-se apenas de escolher aquelas com selo de qualidade, assim você sabe que elas foram submetidas a testes rigorosos de segurança e durabilidade. Consulte seu dentista anteriormente.

3. Não se esqueça do creme dental

Além de ajudar num hálito fresco, os cremes dentais também desempenham um importante papel na luta contra o tártaro, tudo graças ao flúor. As pastas de dente possuem em sua composição esse famoso elemento, que ajuda a reparar os danos causados pelas bactérias e promove um dente íntegro, forte e bonito.

4. Use fio dental

Por mais que bata aquela preguiça na hora de passar o fio dental, tente vencê-la, pois não importa o quão bom você é com a escova, sempre haverá locais que ela não alcança. Usá-lo é a única maneira de remover a placa entre os dentes e manter o tártaro fora dessas áreas.

5. Utilize enxaguantes bucais

Os enxaguantes bucais possuem em sua fórmula substâncias antissépticas, ou seja, que eliminam as bactérias. Uma vez que a placa formadora do tártaro consiste basicamente de uma grande quantidade delas, ao eliminá-las, você auxilia na prevenção do cálculo.

6. Tenha uma alimentação saudável

Preste atenção em sua dieta. As bactérias causadoras da cárie prosperam em alimentos açucarados e amiláceos. Assim, quando expostas a esses alimentos, elas liberam ácidos nocivos. Tente seguir uma dieta saudável e limitar a frequência de açúcar que você ingere. Para prevenção do tártaro, pouco importa o que você vá comer ou até deixar de comer, pois, apenas o fio dental e a escovação correta são importantes.

7. Não fume

Ao fumar ou usar outros produtos relacionados ao tabaco, os dentes tornam-se gradativamente mais ásperos e propensos à adesão dos alimentos e formação da placa bacteriana. Portanto evite esse hábito.

Como diz o velho ditado, “é melhor prevenir que remediar”.

Porém, se você se descuidou um pouquinho e o tártaro acabou se formando, não há mais nada que você possa fazer a não ser procurar o seu cirurgião dentista.

Quanto o tártaro é formado, ele não é removido com a escovação ou uso do fio dental. Sua estrutura calcificada só é tirada pelo profissional com o auxílio de instrumentos como as curetas e aparelhos de ultrassom específicos.

As curetas removem mecanicamente os tártaros por meio de uma raspagem supra e sub gengival, enquanto o ultrassom desorganiza toda a estrutura bacteriana ali formada e promove sua soltura da superfície dental.

Esse procedimento é popularmente chamado de limpeza e deve ser feito pelo menos 2 vezes ao ano.


Obrigado!

logo odontoneed branca site final

Agradecemos sua visita em nosso site e aguardamos sua consulta em nossa Clínica para cuidarmos do seu cartão de visita pessoal e profissional, seu sorriso!

Comentários recentes

    Odontoneed 2019 ®